joao martins personal trainer algarve

A espectativa de vida global aumentou, mas a saúde e a qualidade de vida estão em declínio.

Uma investigação publicada recentemente no periódico científico Lancet mostrou que, apesar de todos os avanços da ciência, da medicina e da tecnologia, a qualidade de vida do ser humano continua baixa. Este estudo teve duração de 23 anos e foi feito em 188 países, e mostrou que enquanto a expectativa de vida aumentou seis anos desde 1990, a saúde e a qualidade de vida estão em declínio.

E poquê? Porque de acordo com o estudo, a maioria das pessoas que vive nos países com as maiores expectativas de vida está passando esses anos adicionais de vida doente ou hospitalizada. De acordo com os autores, as principais causas que contribuem com o maior grau de perda de saúde são doenças cardiovasculares, infeções respiratórias e problemas psiquiátricos, como depressão. Segundo eles, todas estas doenças poderiam ser prevenidas com a adoção de um estilo de vida mais saudável.

Nos países com as maiores expectativas de vida ocorre uma maior prática de atividade física, além da ingestão de alimentos frescos e cultivados localmente. As pessoas que vivem nestes locais também têm o hábito de andar a pé quando precisam ir a algum lugar, praticam jardinagem e voluntariado e cuidam de membros da família. A vida é vivida a um ritmo muito mais lento e as conexões familiares e comunitárias são muito mais fortes do que em outras partes do mundo.

Já os lugares com expectativas de vida mais baixas são marcados pela predominância de empregos sedentários, isolamento social, disparidades socioeconómicas, stress crónico, dietas ricas em alimentos processados e de baixo valor nutricional e vida sedentária.

Texto de João Martins

Artigos Relacionados : O Impacto que o descanso tem na saúde, no fitness e no bem estar | Níveis de aptidão física baixa e valores altos de gordura corporal em crianças podem levar a artérias rígidas, primeiro sinal de doença cardíaca