Treino Suspensão VS Treino de Resistência

SERÁ QUE EXISTE DIFERENÇA DE GANHOS DE MASSA MUSCULAR NO TREINO RESISTÊNCIA TRADICIONAL E TREINO SUSPENSÃO (TRX)?

Um estudo realizado por Samuel Domingos Soligon et, al (2020) comparou os efeitos na massa muscular, força e desempenho funcional em idosos, em treino de suspensão e treino de resistência.

Os resultados do teste foram idênticos, ou seja, a massa muscular aumentou de forma similar para os dois grupos (21-23% para os bicípites e 13-14% para os tricípites), na força máxima o resultado foi idêntico. Os dois treinos promoveram aumentos idênticos na velocidade da caminhada, e no teste de sentar e levantar.

Como conclusão, o estudo concluiu que tanto o treino de suspensão como o treino de resistência promovem melhorias semelhantes na massa muscular, força e desempenho funcional.

O mais importante é treinar respeitando a individualidade e, de preferência, com a supervisão de um profissional credenciado.

Bons Treinos

Desempenho Académico Vs Aptidão Física

Será que existe uma relação entre aptidão física e desempenho académico?

Neste estudo de Kensaku Sasayama, et, al (2019), o objetivo foi examinar as relações transversais e longitudinais entre aptidão física e desempenho acadêmico entre adolescentes japoneses. Este estudo de grupo incluiu 1.189 alunos do sétimo e nono ano de duas escolas. O período de acompanhamento foi de 2 anos. Para avaliar a aptidão física dos participantes, foram realizadas provas de aptidão física envolvendo oito testes (hand-grip, sit-ups, sit and reach, salto side-to-side, corrida de vaivém de 20 m, “50 m dash”, salto horizontal de pé e lançamento de andebol). O desempenho académico, foi realizado nas disciplinas de Japonês, matemática e uma língua estrangeira (inglês).

Os resultados mostraram que possuir alta aptidão física nos dois testes (Sit-ups e corrida de 20 m) estava associado a um melhor rendimento nas disciplinas testadas, quando comparado com os alunos com más notas e baixa aptidão física. As correlações reforçaram que ter baixa performance em diversos testes estava associado a ter baixo desempenho na língua nacional, língua estrangeira e matemática.

Portanto, este estudo sugere que vários resultados de aptidão física estão positivamente associados a altos níveis de desempenho académico para crianças japonesas.

Deixa-nos uma questão, será ideal retirar tempo de atividade física para estudar, para a obtenção de melhores resultados académicos?

CAPACIDADE FÍSICA VS SINTOMAS TRATO RESPIRATÓRIO

TER MELHOR CAPACIDADE FÍSICA REDUZ OS SINTOMAS DAS DOENÇAS DO TRATO RESPIRATÓRIO (GRIPES, CONSTIPAÇÃO, OTITE, FARINGITE, AMIGDALITE, ETC.)?

As infeções respiratórias agudas (ITR) são mundialmente reconhecidas como uma das principais causas de morbidade e mortalidade em todas as idades, particularmente em crianças e idosos, resultando em torno de 3 a 5 milhões de casos de doenças graves/ano. Infeções do trato respiratório abrangem o nariz (rinite), os seios perinasais (sinusite), a faringe (faringite), as amígdalas (amigdalite) a laringe (laringite).

Um estudo de David C Nieman et, al 2011 comprova que uma boa aptidão física e a realização de exercícios aeróbicos são correlações importantes para reduzir os sintomas (em dias) de ITR, e a gravidade dos sintomas durante as estações de inverno e outono.

Os resultados revelaram uma redução de 43% no total dos dias com doença ITR quando comparados com indivíduos com aptidão física baixa (sedentários). Além disso, os que relataram ≥5 dias de atividade física por semana adoeciam 43% menos, em comparação com os que não alcançavam pelo menos uma sessão semanal. Ou seja, as pessoas menos condicionadas e menos ativas adoeciam quase o dobro. Além disso, a gravidade e a sintomatologia reduziram 32% e 41% para quem tinha alta capacidade aeróbia.

Mas é preciso cuidado, pois o excesso de exercício pode reduzir a imunidade e piorar os sintomas até 2-6 vezes mais. Portanto, as atividades devem ser feitas respeitando a individualidade, o ideal é fazê-lo com supervisão de um profissional credenciado.

AGACHAMENTO VS ELEVAÇÃO PÉLVICA

QUAL O EXERCÍCIO QUE TEM MAIS CAPACIDADE PARA AUMENTAR A MASSA MUSCULAR DOS QUADRICÍPITES E DOS GLÚTEOS.

AGACHAMENTO OU ELEVAÇÃO PÉLVICA?

O estudo de Matheus Barbalho et, al (2020) comparou os efeitos dos exercícios de agachamento (BS) e elevação pélvica (HT) na força muscular e hipertrofia em mulheres bem treinadas.

Ambos os grupos aumentaram significativamente a capacidade dos extensores do quadricípite de realizar uma repetição máxima (1RM). No entanto, houve melhorias no grupo agachamento quando comparados com o grupo elevação pélvica no quadricípite femoral (12,2% para BS e 2% para HT, P <0,001) e glúteo máximo MT (9,4% para BS e 3,7% para HT, P = 0,001) e BS 1 RM (35,9% para BS e 4,3% para HT, P <0,001).

O agachamento foi mais eficiente do que o exercício elevação pélvica, pois resultou em maior hipertrofia muscular do quadricípite femoral e glúteo máximo, aumentos na BS 1RM e aumentos semelhantes na HT.

Por isso, se o seu objetivo é o aumento de massa muscular, a elevação pélvica não é o exercício ideal para tal.

Bons treinos e lembrem-se que, para fazer exercício físico de forma mais correta e bem planeada, o ideal é fazê-lo com supervisão de um profissional credenciado.

AGACHAMENTO 90º VS AGACHAMENTO TOTAL

Qual é mais eficaz, Agachamento 90º ou Agachamento Total?

O objetivo deste estudo foi comparar os efeitos do treino de agachamento com diferentes profundidades nos volumes musculares dos membros inferiores.

Não se notou diferença no volume do músculo vasto medial e vasto lateral, e houve diferenças assinaláveis nos músculos, Glúteo máximo e adutores. Ou seja, ao realizarmos agachamento completo e não de 90º temos mais benefícios.

Os resultados do estudo sugerem que o treino de agachamento completo é mais eficaz para o desenvolvimento dos músculos dos membros inferiores, excluindo os músculos reto femoral e isquiotibiais.

DE QUEM A CULPA DE EU NÃO CONSEGUIR PERDER PESO?

Vários estudos estimam que cerca de 40% da população está a tentar perder peso. Destes 40% de pessoas que tentam perder peso, apenas 20% conseguiram fazê-lo ao final de um ano. E, destes 20%, ao final de 5 anos apenas 19% conseguiram manter 10% de redução do peso corporal. Ou seja, apenas 5% da população é bem sucedida.

Sabia que cerca de 75 a 88% das pessoas dizem comer 30% menos calorias do que realmente comem (mais frequente em pessoas obesas)? Quando as pessoas fazem dieta, a diferença entre o que comem e o que acham que comem é ainda maior. E quanto mais restritiva a dieta, maior a diferença.

A manutenção da perda de peso a longo prazo é uma meta importante, mas muitas vezes difícil. As evidências desta revisão e de outras citadas na literatura mostram que a continuação da terapia com um profissional de saúde (personal trainer, nutricionista, e/ou ambos) é essencial para o sucesso da manutenção da perda de peso. Para apoiar a manutenção da perda de peso, as interações profissional de saúde/cliente devem incluir uma discussão sobre os objetivos do cliente, o fenômeno da recuperação do peso, pontos de decisão no comportamento de autocuidado e busca de ajuda e concluir com conselhos sobre auto-monitoramento, dieta e exercícios.

Todos sabem (por experiência própria ou por conhecimento por outras pessoas) que perder peso é muito difícil e requer muita força de vontade, mas um acompanhamento por um profissional de saúde formado é essencial. Como tal, se faz parte dessas pessoas que querem perder peso mas não conseguem sozinhos, não hesite, contacte-me, porque formação, experiência e casos de sucesso não faltam.

Seja saudável, a sua saúde é a sua maior riqueza.

Estudos, Br J Nutr.2007 Jun;97 ; J Am Diet Assoc.2006 Oct